quinta-feira, 3 de março de 2011

Ser bom não basta...

O TRIUNFO DA IDEOLOGIA DO MÉRITO CONTRA A TEOLOGIA DA GRAÇA


O ex-árbitro de futebol Oscar Roberto de Godói foi baleado num assalto em São Paulo. Depois de sair do hospital, fez a seguinte declaração:

-- Eu tinha certeza que não morreria, mas não digo milagre, e sim por tudo que eu sou e faço eu não merecia. Se é Ele (Deus) que leva, não ia me levar.

Reorganizando a frase, fica mais clara a teologia por trás dela: "Eu tinha certeza que não morreria. Se é Ele (Deus) que leva, não ia me levar, não por milagre, mas porque eu não merecia, por tudo que eu sou e faço".

Talvez pudéssemos, então, concluir: quem morre num assalto morre porque não merece ficar vivo.

Estamos, portanto, cercados pela ideologia do mérito, contra a teologia da graça.

A ideologia do mérito é sedutora. A teologia da graça não tem charme nenhum.

A ideologia do mérito é onipresente. A teologia da graça habita um ponto minúsculo no horizonte.

A ideologia do mérito pressupõe que Deus é justo. A teologia da graça pressupõe que Deus é bom.

A ideologia do mérito produz culpa. A teologia da graça espouca em liberdade.

A ideologia do mérito é natural. A teologia da graça é espiritual.

A ideologia do mérito exalta o ser humano. A teologia da graça exala o perfume da cruz de Cristo.

Nascemos com a ideologia do mérito. Só vivemos bem com a teologia da graça.

Israel Belo de Azevedo

# Essa reflexão me lembrou o título de um livro que nunca cheguei a ler, mas o vi na mão de uma amiga e seu título ecoa sempre na minha cabeça, é o livro "Quando ser bom não basta", de Stephen Brown (vou até dar uma procurada nesse livro pra comprar). As pessoas sempre acham que se forem boazinhas, sefizerem boas ações, se não roubarem, não matarem e não causarem danos a ninguém, que nada mais seria necessário para garantir um lugar no céu. E é claro que isso tudo é importante, mas faz parte de um contexto muito maior, porque tudo que fazemos ou deixamos de fazer vai ser realmente julgado um dia, só que há um porém: contamos com a Graça de Deus a nosso favor. As misericórdias do Pai, que se renovam a cada amanhecer, são o que nos mantém de pé. Não é mérito nosso. Fazemos nossa parte, é claro, mas a parte que cabe ao Pai é bem mais importante. Não devemos nos desvalorizar, mas também não devemos nos supervalorizar. Ser bom não basta. É importante ser bom, mas apenas isso não basta ; )

Segue um trechinho que achei deste livro que falei:

"Um pregador teve um sonho no qual ele estava sendo chamado ante o tribunal de Deus. Ele esperava um grande livro e um grande Deus fazendo a leitura. Ao invés disso, o que ele viu em seu sonho foi um gigantesco par de pratos de balança. De um lado os anjos empilhavam tudo de bom que ele havia feito, e do outro lado os demónios empilhavam suas más acções. Havia feito muita coisa boa. Afinal de contas, era um pregador. Mas para seu horror os anjos não estavam conseguindo manter o equilíbrio e a balança pendia para o lado mau. Então, gritou chorando, “Ó Cristo, tem misericórdia!”


Naquele momento ele ouviu o estrondo de três gotas de sangue caindo no lado bom. Elas não pareciam tão pesadas para tamanho barulho. Afinal, qual é o peso de três gotas?

Mas quando elas caíram na balança, o prato pendeu para o lado bom, e nada que os demónios colocassem no outro lado parecia adiantar. Aquelas gotas, claro, haviam saído do corpo de Jesus Cristo." (Quando Ser Bom Não Basta, Stephen Brown, Vida, pp. 117)

# Aproveito para desejar um bom feriadão para todos, estou entrando em recesso anti-carnavalesco (não curto carnaval) e só volto dia 15/03! Vamos dar um "pulinho ali" em Floripa rsrsrsrs irmão e cunhadinha, se preparem, porque "nós vamos invadir sua praia!!!" rsrsrsrs

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...